TRABALHOS PRODUZIDOS PELOS ALUNOS

ENCONTRO COM A JORNALISTA ISABEL MONTEIRO DO 
JORNAL "VERDADEIRO OLHAR"

Durante o 2º e 3º períodos, integrado no Referencial aprender com a Biblioteca Escolar, a Jornalista Isabel Monteiro esteve com todas as turmas do 3º ano do nosso Agrupamento, ensinando-lhes como se faz uma notícia e quais os 6 passos fundamentais para a elaboração da mesma.
Dum modo simples e objetivo, dialogou com os alunos, que se sentiram motivados e atentos. As notícias das turmas são disso testemunho

Seguindo os passos da notícia, cada turma construiu a sua própria notícia.


Como fazer uma notícia?

No dia 29 de janeiro de 2016, os alunos das turmas 3F, 3G e 3H da Escola Básica das Saibreiras, assistiram a uma sessão de esclarecimento sobre como elaborar uma notícia.
A jornalista Isabel Monteiro, do jornal regional “Verdadeiro Olhar” ensinou os alunos dessa escola a construir uma notícia. Através da apresentação de um Powerpoint, os alunos ficaram a saber que uma notícia tem um início ou “lead” no qual deve conter as seguintes questões: O quê, Quem, Quando e Onde. Quanto ao corpo da notícia este deve poder responder às questões: Como e porquê. Nem sempre a notícia deve ter uma conclusão no entanto deve apresentar um desfecho para que o leitor possa compreender a mensagem. As informações obtidas para a elaboração de uma notícia devem ser verificadas e confirmadas. Para além disso, a linguagem deve ser clara com palavras simples.
Com esta sessão os alunos ficaram mais preparados na realização do trabalho de pesquisa proposto cujo tema está relacionado com a exploração mineral no concelho de Valongo.

Os alunos do 3º ano da EB das Saibreiras

No dia 19 de Abril, às 9 horas, veio à Escola Básica de Montes da Costa a jornalista Isabel Monteiro, do jornal “Verdadeiro Olhar” ensinar os alunos da turma do 3ºE a escrever uma notícia.
A visita da jornalista, estava relacionada com o projeto “ Exploração Florestal” que a turma tem estado a trabalhar com a professora Conceição da biblioteca e da qual irá culminar com um livro digital sobre as Atividades Económicas, elaborado por todos os alunos dos terceiros anos do Agrupamento de São Lourenço.
Foi uma visita muito esclarecedora porque aprendemos os passos a seguir quando estamos a escrever uma notícia, e, onde e como podemos recolher a informação pretendida. No final, tiramos as dúvidas. 

Os alunos do 3º ano Eda EB de Montes da Costa

No dia 19 de abril, as turmas do terceiro ano, 3º I e 3º J, na Biblioteca da Escola Básica Mirante de Sonhos, receberam a visita da jornalista Isabel Monteiro veio falar acerca da sua profissão e ensinar os alunos a elaborar uma notícia. Esta jornalista trabalha no jornal «Verdadeiro Olhar», que é um jornal semanário online. Ela explicou-nos que a função principal do jornalista é informar as pessoas através dos meios de comunicação social, como por exemplo os jornais, a televisão, a rádio e a internet. Ajudou-nos a definir o que era uma notícia e mostrou-nos alguns exemplos. Seguidamente, ensinou-nos como se obtém informação e salientou que «sem fontes de informação não existiriam jornais».
No final, colocámos-lhe algumas questões que nos suscitavam alguma curiosidade e agradecemos a sua visita. Nós achámos muito interessante esta atividade da biblioteca, pois aprendemos mais acerca do trabalho de um jornalista.
A sessão sobre o Jornalismo, cativou a atenção e interesse de todos os alunos que ficaram a conhecer melhor a vida de um Jornalista.

Os alunos do 3º I e 3ºJ da EB Mirante de Sonhos


A CADELA APARECIDA NA ESCOLA BÁSICA DA COSTA
No dia 15 de janeiro entrou na escola da Costa uma cadelinha que andava perdida na rua.

       
A cadelinha entrou na escola, no intervalo da tarde, quando alguns alunos que não têm AEC saíam. Os alunos que a viram foram ter com ela, mas ela não se deixava apanhar e corria pelo recreio. Ao fim de algum tempo, uma assistente operacional conseguiu pegar nela e levou-a para junto dos professores. Um deles tirou-lhe uma fotografia e publicou-a no facebook para tentar encontrar o dono.No final das aulas, o dono ainda não tinha aparecido. Então, os professores foram à EB de São Lourenço perguntar se alguém conhecia o animal. Lá, informaram que o dono da cadela tinha um stand de automóveis próximo da Vila Beatriz. Uma professora foi lá, mas a cadelinha não era dele. Continuaram à procura e foram à pastelaria. Aqui também ninguém a conhecia.Já sem esperança, uma das professoras recebeu um telefonema da mãe de uma aluna a dizer que sabia quem era o dono. Combinaram encontrar-se no portão da escola.Mal viu a dona, a cadela correu para ela. Foi um final feliz!

Os Alunos da EB da Costa 3ºC e 3ºD



































RECONTO DA HISTÓRIA -"O SOLDADINHO DE CHUMBO"de Hans Christian Andersen


Era uma vez 25 soldadinhos de chumbo que foram para uma loja de brinquedos, depois foram para casa de dois irmãos que os puseram na janela. Soprou uma rajada de vento e só um é que caiu. Começou a chover e ele afogou-se.
Depois dois meninos construíram um barco de papel e puseram o soldadinho lá dentro. Puseram-no na água e sopraram. O barco de papel começou a navegar e foi parar ao esgoto. Apareceu uma ratazana enorme que pediu o passaporte ao soldadinho. O soldado não ligou. Quando a ratazana reparou o barco de papel já se tinha ido embora. A ratazana zangada foi atrás dele só que ele tinha já sido comido pelo peixe. Passado 3 dias os pescadores pescaram o peixe e levaram-no para a peixaria. Uma mulher foi comprou-o e quando ia abrir a barriga do peixe viu o soldadinho e tirou-o da barriga e foi dá-lo ao menino. O menino atirou o soldadinho de chumbo para a lareira e veio uma rajada de vento que também atirou a bailarina. Morreram os dois e transformaram-se num coração de chumbo.
2º E
Escola Básica de Montes da Costa
21 de abril de 2015






CIDADANIA













VAMOS PESQUISAR OS ANIMAIS:
Os peixes


As aves


Os peixes


Os mamíferos


Os répteis


Os insetos



A OVELHINHA QUE VEIO PARA O JANTAR

OUTUBRO 2012 - SEMANA DA ALIMENTAÇÃO

Era uma vez um lobo que estava dececionado porque só tinha sopa de legumes para comer ao jantar e o que ele queria era uma sopa de borrego. Por magia, uma ovelhinha bateu à porque estava cheia de frio. Mas o lobo não teve muita sorte porque a ovelhinha estava congelada e ele disse para si mesmo:                                                                                                         
-Que azar! Uma ovelhinha congelada!
Então, lembrou-se de pôr a ovelhinha à beira da lareira e foi procurar um livro de receitas. Enquanto, a barriga da ovelhinha estava a dar horas e o lobo disse:
Que azar! Uma ovelhinha esfomeada!
O lobo, desesperado, deu-lhe uma linda cenoura laranja. E resultou. A ovelhinha já não tinha fome, mas começou a ter soluços. Então, o lobo atirou-a para o ar mas não resultou. Abanou-a de um lado para o outro mas também não resultou. Virou-a de pernas para o ar mas não resultou. Por fim, deu-lhe palmadas nas costas e ela ficou bem, acabando por adormecer no seu colo. O lobo embaraçado não sabia o que fazer. Então, pôs a ovelha na cadeira de baloiço.
 Quando a ovelhinha acordou, começou a dar beijos ao velho lobo. Mas o lobo estava farto dela, por isso pôs a ovelha fora de casa dele.
Lá fora, a ovelhinha não parava de bater à porta a pedir para entrar, enquanto que o lobo não parava de cantar. Algum tempo depois, ele começou a ficar preocupado com a ovelhinha pois ela podia apanhar uma doença e então foi à procura dela. Correu muito, mas não encontrou a ovelhinha que estava perdida na neve branca e infinita. Estava todo encharcado porque passou muito tempo a correr e também estava a nevar. Chegou finalmente a casa para se aquecer. Mas também teve uma surpresa muito grande. A ovelhinha tinha voltado da neve branca e infinita. Ela cheia de alegria saltou para os braços do lobo, mas disse-lhe que só ficava com uma condição. O lobo não podia comer a ovelhinha enquanto ela lá estivesse. Ele aceitou, por fim fizeram uma bela sopa de legumes ao jantar e assim ficaram amigos para sempre.
  Miguel José Magalhães
Rui Miguel Rodrigues                                      
 Centro Escolar de Mirante de Sonhos – 4ºH
Luan Filipe Tavares  4ºH


            Era uma vez um lobo com umas orelhas bicudas e uma boca comprida. Era hora de jantar mas o lobo só tinha sopa de legumes para comer e disse:

- Outra vez sopa de legumes! Quem me dera ter uma ovelhinha para fazer uma sopa de borrego! 

De repente, o lobo ouviu bater à porta, quando foi ver quem era, por sorte era uma ovelhinha. O lobo pensou logo que aquela ovelhinha fazia uma bela sopa de borrego e abriu-lhe a porta. Mas quando ela entrou na casa do lobo ele olhou para ela e disse:
-Que azar! Uma ovelha congelada.
Até que lhe surgiu uma ideia, o lobo pôs a ovelha na cadeira de baloiço à beira da lareira. Quando a ovelha estava quentinha, ouviu-se um barulho era a barriga da ovelha a dar horas:
-Que azar! Uma ovelha esfomeada!
O lobo, então, pensou:
- Se eu lhe der uma cenoura já como borrego recheado. Então, lá foi ele buscar uma cenoura. Depois de a ovelha comer a cenoura, a ovelha começou com soluços e o lobo disse:
-Que azar! Uma ovelha com soluços. Ainda me passa os soluços. O lobo estava desesperado, então pensou, até que chegou a ter uma ideia:
-E se eu a virar ao contrário?
O lobo virou a ovelha de pernas para o ar mas não resultou, abanou-a de um lado para o outro mas também não resultou e por último pegou na ovelha ao colo e deu-lhe palmadinhas nas costas. Quando o lobo reparou ela tinha adormecido. Então ele disse:
-Se eu a comer enquanto ela dorme, ela não vai dar por nada. Quando o lobo ia comer a ovelhinha ela acordou e de repente começou a dar-lhe beijinhos. O lobo ficou muito envergonhado. Depois, o lobo disse:
-Ovelhinha! Sai desta casa se não eu como-te.
Quando a ovelhinha estava lá fora não parava de bater à porta. Então, o lobo tapou os ouvidos e começou a cantar. Passado algum tempo o lobo pensou:
-Como estará a ovelhinha? E se ela morrer de frio? Então, o lobo saiu de casa e foi procurar a ovelhinha, mas não a encontrou. Passado um bocado ele veio para casa e quando abriu a porta ele viu a ovelhinha na sua cadeira de baloiço. Então, pediu-lhe por favor que ficasse com ele.
-Então não me queres comer?-disse a ovelhinha.
- Não, claro que não. Disse o lobo.
Depois foram comer uma sopa de legumes, e ficaram amigos para sempre!
Maria João Barros Costa

                                                                                            Beatriz Ribeiro
Trabalho elaborado a partir da exploração da obra " A Ovelhinha que veio para o jantar"
                                                                        Centro Escolar de Mirante de Sonhos – 4ºH



EU SOU UM LÁPIS
Olá!
Eu sou um lápis amarelo e o meu dono chama-se João. Ele é um menino educado, bom aluno e muito simpático. Usa os livros e os cadernos com cuidado, não destrói as borrachas e não rói nem parte os bicos dos lápis. Como sou um lápis de pintar, fico feliz quando pinto o sol, as flores, a areia da praia e tantas outra coisas! O João quando não precisa de mim , guarda-me no estojo e eu fico a descansar.
Ora, um dia adormeci profundamnete e sonhei que o meu dono me tinha perdido na rua. Depois, passaram automóveis e atropelaram-me. Fiquei esmagado. Nem se via o amarelo! Pobre de mim, já não servia para nada!
De repente, o João agarrou-me e percebi que era apenas um sonho.
 Afinal, eu gosto de ser como sou e não quero ser desfeito.


3º ano G
outubro de 2012
Centro escolar de Mirante dos sonhos
Teatro "Histórias de Encantar..."


Hoje, dia 24 de Abril, fomos ao teatro ao auditório da Junta de Freguesia de Ermesinde.
O teatro foi passado no quarto de uma menina chamada Carolina que estava doente, não podia sair de casa e estava a ouvir o chilrear dos passarinhos. De repente um pássaro entrou pela janela do quarto e pousou numa porta. A menina disse que já não abria aquela porta há muito tempo! Com a ajuda do passarinho conseguiu abrir a porta e, qual não é o seu espanto, quando vê uma biblioteca. Lá dentro havia muitos livros e viram um livro gigante que tinha o título “Era uma vez” e contava muitas histórias. O passarinho pediu à Carolina para lhe ler aquelas histórias.
A menina sacudiu o pó do livro, abriu-o e começou a ler as suas histórias: A Cinderela, A Bela e o Monstro, Alice no País das Maravilhas, O Capuchinho Vermelho, Os três porquinhos e A Carochinha.
          Enquanto a menina lia, os alunos do 3º I da Escola das Saibreiras iam apresentando no palco algumas personagens das histórias, acompanhados por imagens e música. No final todos cantaram uma canção.
Nós gostámos muito do teatro, das músicas e das imagens e de ver todo o trabalho apresentado pelos alunos do 3º e 4º anos. A professora desta turma teve muito trabalho a preparar o teatro. As histórias foram “cinco estrelas”. Valeu a pena ir! Gostava de ver outra vez.

Afonso, Cláudio e Joana
2.º ano Turma C
abril de 201
Escola Básica de Costa


Lembrando o 25 de Abril de 1974
Podem até não conhecer
Este grande dia
Mas digo-vos agora
Que foi uma grande alegria.

Tudo começou
Quando uns gananciosos senhores
Mandaram neste país
E só causaram dor.

E esses senhores
Entre eles, Marcelo Caetano
Causaram grande tortura
Durante 48 anos.

Mas certa madrugada
Tudo mudou
Chegaram os soldados
E a revolução começou.

Primeiro só apareceram
Jovens soldados
Mas passado pouco tempo
Tudo ficou revoltado.

A partir daquele dia
Já se ouvia dizer
- Portugal é um país
Digno de o ser.

Eles não queriam sangue
Queriam tudo a bem
Mas, se fosse preciso
Lutavam também.

Escola Básica de Montes da Costa 4º J
 
O governo fugiu
Com medo que os apanhassem
Foi para o Brasil
Antes que os alcançassem.

No dia glorioso
Começou a rádio a tocar
Saíram dos quartéis os soldados
E começaram a marchar.

Prontos para tudo e para todos
Lá foram em missão
Destemidos e corajosos
Começaram a revolução

Ocuparam a rádio
E a televisão
E até no Largo do Carmo
Eles usaram o canhão.

Muito silenciosos
E muito cautelosos
Os do governo estavam
Todos muito medrosos.

Neste dia foi
Tudo bem organizado
E no final deu
Um grande resultado.

Aqueles fascistas fugiram
Foram todos pró Brasil
O povo foi festejar
Eram mais de cem mil.












Alunos do 1º ano F
Escola Básica das Saibreiras
Com base na exploração da obra O Monstro das Festinhas de Carla Antunes, os alunos criaram novos textos.
Os monstrinhos
O monstro das Rabanadas
Rabanadas queria
Mas para as ter
Rabanadas fazia

O monstro das Festinhas
Festinhas queria
Mas para as ter
Carinhos fazia.


Os monstros
Iam à discoteca
Punham a tocar
O disco que “teca”
Depois iam a casa
Da dona Miquelina
Que tricotava e tinha uma
Filha chamada Miquelina

Depois iam ao café
Do senhor Tozé
Que era em três segundos
Que fazia o café.

Beijinho, Beijinho
Acabou este ninho.



Autores: Cíntia Torres e Dinis Sousa
3ºB - Escola Básica de Carvalhal
O QUE É ESTAR APAIXONADO?
Apaixonado é ter amor por alguém e ficar corado!
Amor é gostar de alguém e não lhe dizer!
É sentir e dar amor a alguém...é namorar! É andar sempre com essa pessoa e tratá-la bem!
É sentir paixão como se fosse um sonho mágico, é gostar muito de outra pessoa!
O amor é um poço sem fim!
A paixão é casar e nunca deixar essa pessoa...é gostar muito, muito dela!
É quando sentimos alguma coisa forte a bater no coração.
É comprar um ramo de flores e dares a quem tu amas!
É um sonho...É poder amar!
É dizer-lhe o que senti e dar-lhe um beijo!
É NUNCA DEIXAR ALGUÉM QUE AMAMOS!
Autores: 3ºA - Escola Básica de Carvalhal