quarta-feira, 29 de abril de 2015

DIA MÃE




A MINHA MÃE

A mãe é muito bonita
e dá-nos muitos beijinhos,
eu gosto muito dela
e dou-lhe muitos abracinhos!

Ela dá-nos o seu amor,
E connosco gosta de brincar,
É uma mãe protetora,
Com amor nos vai abraçar!

Faço tudo pela minha mãe,
Sem ela não existia,
A minha mãe é bonita,
Amo-a todo o dia!

E. B de Montes da Costa, 1ºD, 1ºE e 2ºE
Baseado na exploração do livro "Mãe querida mãe! Como é a tua?" de Luísa Ducla Soares

Das mães

Há muito, muito tempo,
estava Deus aconchegado numa nuvem fofinha, lá no Céu,
enquanto pensava como poderia criar o mundo…

Perdido a sonhar, sorria, ao imaginar tanta beleza!
De ideia em ideia, foi entrevendo um montão de coisas lindas:
a lua e as estrelas…
a Terra, as amendoeiras e as rosas…
as romãs e as amoras…
as andorinhas e as estrelas do mar…
as borboletas, as joaninhas…
e… as pessoas!

Estava Deus deliciado a antecipar tantas maravilhas
quando, de repente,
Lhe chegou à cabeça um pensamento que tinha sido enviado pelo Seu coração
(É verdade! O coração de Deus dá-Lhe sempre a volta à cabeça!)…

Sem conter a alegria, Deus levantou-Se,
dançava, sem parar, e cantarolava de tanto entusiasmo:
tinha descoberto, finalmente, o segredo para que as pessoas fossem a Sua obra prima!
Como?!
É simples:
as pessoas pequeninas haviam de nascer dentro de pessoas grandes!
Era genial!
As pessoas pequeninas ficariam por uns tempos
guardadas como tesouros dentro de pessoas grandes!
Lá por dentro, a espreitar,
de tanto olhar, as pessoas pequeninas saberiam de cor
o tamanho do coração das pessoas grandes…
No momento em que fossem apresentadas à luz,
as pessoas pequeninas já sabiam como é grande e aconchegante o amor das pessoas grandes.

Nesse instante, Deus criou… as mães!
Criou-as assim… lindas, protetoras, meigas e fortes!
Criou-as assim… atarefadas, atrapalhadas, preocupadas e imperfeitas…
Criou-as assim… únicas!
Tão especiais que, quando decidiu confiar o Seu Filho mais bem guardado ao mundo,
pôs-Se a espreitar lá do alto,
procurou com atenção, e…
assim que encontrou o coração mais lindo de se ver por dentro,
aconchegou-O nele…
como se O deitasse, bem devagarinho, num berço.


Elsa Almeida

Para o dia 3 de maio de 2015, Dia da Mãe

1 comentário: